• Revista Plástica e Forma

Saiba mais sobre a rinoplastia híbrida, procedimento menos invasivo e com menos riscos.


O cirurgião plástico Dr. Fernando Nakamura fala sobre a técnica que usa abordagens menos invasivas para dar forma ao nariz.


Ultimamente, tem se falado cada vez mais da cirurgia híbrida, que é a mistura das técnicas preservadora e estruturada para o aperfeiçoamento da cirurgia plástica do nariz. A técnica consiste basicamente em mudar as formas do dorso do nariz preservando ligamentos e cartilagens porém mudando as formas dos mesmos como se fosse uma escultura. Tudo isso associado a técnicas de estruturação da ponta do nariz, que utiliza enxertos de cartilagem do próprio paciente para termos mais estabilidade dos resultados, corrigindo a “ponta caída”.


O cirurgião plástico Dr. Fernando Nakamura explica que a cirurgia híbrida pode ser feita no nariz, pois além do procedimento ser menos invasivo, o resultado é mais natural. A rinoplastia está entre as cirurgias mais procuradas no Brasil. Apesar da grande procura, muitos adiam o procedimento por medo e pelo tempo de recuperação.


“A rinoplastia híbrida veio para agregar, preservar o nariz do paciente e, principalmente para diminuir o período de recuperação. Essa técnica une uma maneira menos agressiva, mas muito efetiva de se realizar a cirurgia”, conta.

De acordo com o especialista, a cirurgia de nariz passou por várias fases de desenvolvimento. Uma das pioneiras foi a rinoplastia redutora que, apesar de rápida e com resultados imediatos, causa uma desestruturação do nariz podendo gerar problemas estéticos e funcionais em alguns pacientes a longo prazo. Em resposta, surgiu a técnica denominada rinoplastia estruturada que, traz ótimos resultados a longo prazo, porém as custas de vários enxertos que em alguns pacientes pode gerar fibrose com uma cicatrização inadequada, com distorções ou irregularidades, dificultando a vida dos que precisam fazer uma segunda intervenção quando a primeira não traz o resultado desejado, já que nesses casos é preciso recorrer à cartilagem de costela e orelha, o que aumenta muito a complexidade da cirurgia.


Recentemente, surgiu a rinoplastia preservadora em que a anatomia do nariz é respeitada nos mínimos detalhes, preservando as estruturas porém mudando a forma do nariz usando poucos enxertos, de forma menos invasiva com resultados naturais.


“Foi a partir desses estudos profundos da anatomia do nariz que surgiu a rinoplastia híbrida, que propõe usar o que há de melhor na rinoplastia preservadora combinada com a rinoplastia híbrida, preservando ligamentos e tecidos , além de oferecer resultados naturais e consistentes, recuperação mais rápida e possibilidade de retoques futuros sem a complexidade de outras técnicas.”, destaca o Dr. Fernando Nakamura.


A rinoplastia híbrida dura, em média, três horas. Por ser menos invasiva, o pós-operatório costuma ser mais tranquilo e a recuperação mais rápida. Em pouco tempo é possível que o paciente retorne às suas atividades”., explica o especialista, que lembra que somente cirurgiões plásticos e otorrinos podem realizar a rinplastia híbrida e para saber se o médico está habilitado ou não, é só consultar o site do Conselho Fedaral de Medicina (CFM).


Dr. Fernando Nakamura - Cirurgião Plástico

Diretor Técnico Médico

CRM-DF 17.858 / RQE 9333

Instagram - @drnakamura