top of page
  • Foto do escritorPlástica e Forma

Melasma: como cuidar e evitar as manchas durante o verão.


Dra. Michele Kreuz - Dermatologista


A alta produção de melanina é uma das principais consequências da alta exposição ao sol.


Segundo um levantamento realizado pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), estima-

se que 35% das mulheres brasileiras possuem melasma. Apesar de ser um nome conhecido,

principalmente por quem gosta de manter uma rotina de cuidados com a pele e pela grande

exposição ao sol devido ao clima tropical do país, ainda há dúvidas relacionadas a condição

que causa o aparecimento de manchas amarronzadas na pele. 


A dermatologista Michele Kreuz, sócia titular da Sociedade Brasileira de Dermatologista,

explica os pontos principais da condição que precisa de uma atenção maior durante o verão, a

estação que está cada vez mais próxima por conta da forte onda de calor. 


O que é o Melasma?


“O melasma são manchas que vão surgindo na pele, geralmente no rosto por ser um local que

tem mais contato com a exposição ao sol, elas variam de cor, podendo ser castanho-escuros

ou marrom-acinzentadas. Essas manchas surgem após o aumento de produção de melanina,

seja pela alta exposição solar ou por mudanças hormonais. É comum que essas manchas

apareçam no buço, na testa e nas bochechas”, explica a dermatologista. 


Por que o melasma surge?


A profissional afirma que há diferentes fatores para que ele apareça. Pode ser por conta de

mudanças hormonais, como o uso de pílulas anticoncepcionais, a própria gravidez e a

menopausa, há pacientes que possuem uma predisposição ao melasma também. 


“Além da questão hormonal, a exposição ao sol é um fator crucial para que o melasma dê os

seus primeiros sinais, principalmente se o paciente não faz o uso do protetor solar antes de

sair de casa. Os raios UV provocam um estímulo na produção de melanina, quando ela

ultrapassa um nível habitual do organismo, essas manchas castanhas ou acinzentadas

aparecem.”


Como evitá-lo?


Michele afirma que alguns hábitos são necessários para que as manchas não apareçam na

pele. Entre eles, o principal: o uso contínuo do protetor solar, de preferência os que possuem o

fator de proteção maior de 50, a dermatologista recomenda reaplicá-lo a cada duas horas, nos

dias mais quentes e com sol forte e a cada três horas em clima mais ameno.


“Evitar saídas nos dias que o sol está muito forte também é indicado, mas se for necessário

sair, além do uso do protetor solar, utilize chapéus de abas largas, óculos escuros e roupas que

cubram a pele para proteger contra os raios de sol fortes.”


Como cuidar das manchas para que não surgem mais?


“A reaplicação do protetor solar é essencial para que os sinais do melasma não aumentem na

pele, se for para praia ou piscina, tente sempre ficar na sombra com a ajuda de um guarda-sol.

Com uma visita ao dermatologista, também é possível adicionar produtos clareadores na

rotina de cuidados com a pele para diminuir as manchas e evitar que elas apareçam mais”,

afirma Michele.


Quais são tratamentos disponíveis para o melasma? 


Além dos clareadores e outros tratamentos tópicos, a dermatologista afirma que há

alternativas para tratar e acabar com as manchas, como os peelings químicos e procedimentos

a laser.


“Os peelings que são feitos com o ácido glicólico ou ácido salicílico podem ajudar a esfoliar a

camada superficial da pele, melhorando a aparência das manchas. É necessário consultar ao

dermatologista e verificar qual é o mais indicado para a condição de cada paciente”, finaliza

Michele.

Dra. Michele Kreuz - Dermatologista

CREMERS - 29508 / RQE 35590

Comentários


bottom of page