top of page
  • Foto do escritorPlástica e Forma

Atrizes Adriana Ferreyr e Jennifer Aniston também congelaram os óvulos; entenda o procedimento.

Atualizado: 23 de nov. de 2023


Artistas gostariam de ter tido informações sobre o processo quando mais novas


Os 40 anos se aproximam e, com eles, uma preocupação para parte das mulheres:

ser ou não mãe? Entretanto, o temor relacionado ao relógio biológico feminino tem

sido menor graças à tecnologia do congelamento de óvulos, que tem se tornado

popular graças a famosas como as atrizes Adriana Ferreyr, Jennifer Aniston e Grazi

Massafera. Foi o que aconteceu com Adriana, que viveu a vilã Vanessa, da telenovela

Marisol.


Neste momento, Adriana, hoje com 40 anos, não tem um parceiro, mas quer ter a opção

de ter um filho biológico se encontrar a pessoa certa no futuro. “Os homens têm essa

escolha, e as mulheres frequentemente sentem-se pressionadas a entrar em

relacionamentos apenas para evitar o relógio biológico”, opina Adriana.


A idade da mulher exerce uma influência significativa na qualidade dos óvulos, já que

quanto mais jovem, melhor a qualidade. Muitas mulheres não têm conhecimento de que,

após os 39 anos, a probabilidade de conceber uma criança diminui consideravelmente.

Por exemplo, uma mulher com menos de 35 anos tem uma chance de 49,6% de ter um

filho através de fertilização in vitro (FIV), enquanto uma mulher entre 38 e 40 anos tem

uma chance de apenas 24,8%, e aquelas com mais de 42 anos têm apenas 2,4%.


Foi pensando no relógio biológico o alerta feito pela atriz Jennifer Aniston (54), no ano

passado. Sem ter conhecimento do congelamento de óvulos, Jennifer contou que

gostaria que tivesse sido orientada sobre esse procedimento quando era mais nova.

Embora muitas pessoas desconheçam, os óvulos são mais frágeis e têm uma taxa de

sucesso menor quando comparados aos embriões quando congelados. Eles podem ser

mais facilmente danificados durante o processo de descongelamento em comparação

com os embriões.


Adriana também tem uma queixa parecida. Ela não se arrepende do procedimento mas

gostaria de ter tido a oportunidade de fazê-lo mais cedo. Quando congelou os seus

óvulos, com 39 anos de idade, as chances de sucesso eram muito menores do que se

tivesse congelado mais nova. “Por esse motivo, eu fiz o procedimento duas vezes, mas

isso não garante o sucesso, apenas aumenta um pouco as minhas chances por ter mais

óvulos congelados. Eu gostaria muito de ter tido essas informações quando era mais

jovem. Com certeza teria congelado meus óvulos quando estava na casa dos 20 anos”,

avalia.


Portanto, congelar óvulos não garante que uma mulher será capaz de ter filhos no

futuro, mas oferece uma oportunidade. Muitas mulheres, mesmo cientes do risco de que

o processo pode não funcionar, sentem-se satisfeitas com essa escolha, já que pelo

menos têm a sensação de terem feito o possível e mantém a esperança.

PROCESSO DESAFIADOR


Adriana conta que o período que antecedeu o procedimento foi bastante estressante.

“Pesquisar todas as informações e compreender tudo pode ser desafiador, embora o

procedimento em si seja simples e indolor”. Ela afirma que as injeções são fáceis de

administrar e não apresentam efeitos colaterais, e que o processo de coleta de óvulos

também não causa dor. “Fui sedada, não percebi e senti nada, e o procedimento em si

dura no máximo 15 minutos. Foi muito tranquilo”.


Ela aproveita para acrescentar que, por outro lado, conhece mulheres que tiveram uma

experiência diferente e se sentiram muito mal por conta de todos os hormônios. “Uma

amiga minha sofreu com hiperestimulação ovariana e teve uma experiência muito

desagradável por causa disso. É importante não tomar doses muito altas de

medicamentos, pois há um pequeno risco de hiperestimulação ovariana, que é uma

complicação rara da fertilização in vitro (FIV). Ela ocorre em mulheres que são muito

sensíveis aos medicamentos de fertilidade usados para estimular a produção de óvulos”.


Apesar das dificuldades, ela conta que não se arrepende do processo.

“É complicado, mas é um recurso válido para que as mulheres possam ter a

oportunidade de serem mães quando se sentem mais preparadas. Nós, enquanto

mulheres, devemos lutar para que esse procedimento seja mais acessível a todas,

independentemente de condição financeira”, conclui.


Adriana Ferreyr - @adrianaferreyr


Comentarios


bottom of page